Gastrite: conheça as causas e possíveis tratamentos naturais para a inflamação - www.detoxhoje.com.br

Gastrite: conheça as causas e possíveis tratamentos naturais para a inflamação

Gastrite: conheça as causas e possíveis tratamentos naturais para a inflamação

Se você já sentiu qualquer tipo de queimação no estômago, provavelmente ouviu falar sobre gastrite. Mas, afinal, o que é essa inflamação?

Tecnicamente, a gastrite é uma inflamação da mucosa que reveste as paredes internas do estômago. E, com isso, a sensação de ardor e as pontadas que se sentem na região.

Por outro lado, do contrário do que se pensa, há diferentes tipos de gastrite. Além disso, também existem diversas causas para a doença. Vamos conhecer um pouco mais sobre elas aqui.

Entre os principais sintomas, estão o desconforto abdominal, indigestão, gases e queimação no estômago. Em seus primeiros sinais, procure um médico. Assim, um gastroenterologista pode te indicar as causas e apontar para os melhores caminhos de tratamento.

Então, para além do diagnóstico com base nos sintomas, o médico também pode pedir uma endoscopia digestiva. Por meio dela, ele tentará identificar a presença da bactéria H. Pylori – uma das causadoras da gastrite.

Essa bactéria prejudica uma barreira protetora do estômago. Por isso, a dor e queimação abdominal. E, caso não seja tratada, a bactéria pode aumentar o risco de desenvolvimento de úlceras e até câncer no estômago.

Gastrite: o que é e quais são as suas causas?

Mas, afinal, gastrite tem cura?

A gastrite é uma doença que se configura como uma inflamação nas paredes do estômago. Por isso, estão entre os seus principais sintomas a ardência e queimação no estômago, mal estar, desconforto abdominal e indigestão.

Ainda que muitas pessoas classifiquem qualquer dor no estômago como gastrite, é importante consultar um médico antes de iniciar o tratamento.

Assim, o clínico-geral ou gastroenterologista poderá identificar as causas da doença, já que ela pode ter a sua origem em uma bactéria, no uso excessivo de bebidas alcoólicas ou no estresse.

Por isso, em pessoas com sintomas de gastrite é importante a realização da endoscopia da mucosa gástrica. Dessa forma, o médico poderá avaliar se há a presença de inflamação no revestimento do estômago. Além disso, também podem ser solicitados exames de sangue e raio-X do trato digestório.

A gastrite está nomeada no CID-10. O CID é o código que representa a “Classificação Internacional de Doenças”, em texto aprovado no ano de 1994.

Ele inclui instrumentos de base epidemiológica, e organiza uma série de informações sobre doenças, sinais, sintomas, queixas e causas externas. Esse documento passou a ser utilizado no Brasil a partir de 1996.

A principal função da CID-10 é auxiliar na pesquisa e descobrimento de doenças que afetam um local específico do corpo ou de um grupo determinado de pessoas.

Veja as 5 principais causas da gastrite

Veja as 5 principais causas da gastrite

Então, ainda que o tratamento para gastrite seja tranquilo, é importante descobrir as suas causas para uma resposta efetiva à inflamação. Do contrário, a falta de tratamento adequado pode provocar úlceras ou sangramento gástrico.

Por isso, vamos conhecer mais sobre as 5 principais causas da gastrite.

As causas da gastrite se diferenciam principalmente por seus tipos. Mas, abaixo, fizemos uma seleção dos principais sintomas relacionados aos motivos mais aparentes. Conheça abaixo:

Helicobacter pylori

Helicobacter pylori

A H. Pylori é uma bactéria que se instala no estômago ou no intestino. Então, ela prejudica a barreira de proteção do nosso organismo e estimula uma sequência de inflamações.

Mas, por outro lado, é muito comum possuir a bactéria e não apresentar sintomas. Ela pode ser encontrada em exames de endoscopia, e o tratamento só é indicado caso ela provoque o desenvolvimento de doenças, como a gastrite.

Além disso, ela também pode ser a causadora de úlcera péptica, queimação no estômago, e até tumor intestinal. Por isso, a importância de se atentar aos sintomas e procurar um médico.

Seu tratamento costuma incluir antibióticos e uma dieta que ajude a aliviar os sintomas da gastrite.

Estresse

Estresse

O sistema nervoso pode, sim, afetar o nosso sistema gastrointestinal.

Comum para aqueles que vivem rotinas agitadas, o estresse se caracteriza por situações de irritação, desgaste, medo e preocupação. Esses sentimentos provocam a liberação de adrenalina e cortisol no sistema nervoso.

A constância desses hormônios nos deixa em estado de alerta, o que provoca uma série de alterações físicas, e também emocionais.

Assim, o estresse é uma das causas mais comuns da gastrite. Nesses episódios emocionais intensos, o estômago produz mais ácido clorídrico e menos muco protetor. Então, isso pode levar a uma irritação da parede do estômago – o que dá origem à gastrite.

Para diferenciar, costuma-se chamar esse tipo de gastrite como gastrite nervosa ou gastrite aguda.

Consumo de alimentos contaminados

Consumo de alimentos contaminados

Muitos não sabem, mas a gastrite pode estar ligada diretamente ao consumo de alimentos.

Na superfície de alimentos crus pode estar a bactéria Helicobacter pylori – da qual já explicamos acima.

Ao ser ingerida, ela pode colonizar o estômago, provocando a infecção da região. No entanto, nem todas as pessoas são sensíveis à ela.

Dessa forma, a maioria que a consome não deve desenvolver gastrite ou qualquer outra doença no trato digestivo.

Excesso de medicamentos anti-inflamatórios

Excesso de medicamentos anti-inflamatórios

Aqui está um dos grandes perigos da automedicação. O uso de medicamentos em casa para qualquer tipo sintoma, comum principalmente entre pessoas mais velhas, é uma das grandes causas da gastrite.

Anti-inflamatórios não esteroides, como Ibuprofeno ou Naproxeno, podem reduzir a proteção das paredes do estômago. Por isso, um efeito irritante na região, dominada pelo ácido gástrico.

O uso excessivo de medicamentos fragiliza a mucosa do estômago. Assim, esse tipo de gastrite, vinda do uso prolongado de medicamentos, é chamada de gastrite crônica.

Então, esteja atento: essa gastrite pode evoluir para o surgimento de lesões e úlceras na região. Procure um médico para o tratamento adequado.

Álcool e cigarro

Álcool e cigarro têm o poder de irritar a mucosa do estômago.

Assim, o excesso dessas drogas pode levar à formação de úlceras gástricas, e também da gastrite. Por isso, quando percebida, é recomendado eliminar o consumo de álcool e cigarro, trocando para uma rotina de hábitos saudáveis.

O objetivo desse tratamento é adotar uma dieta que auxilie na revitalização da parede do estômago, regularizando as funções do sistema gastrointestinal.

Tipos de gastrite

Tipos de gastrite

A partir de suas principais causas, pudemos perceber que a gastrite varia entre os seus tipos. Além disso, a classificação da doença também vem da duração dos sintomas e da região do estômago onde ela está. Abaixo, confira os principais tipos de gastrite:

Gastrite aguda

Gastrite aguda

A gastrite aguda é justamente aquela causada pela presença da bactéria Helicobacter pylori. Seus sintomas variam entre dor de estômago, náuseas e vômitos.

Para o seu tratamento, costuma-se indicar antiácidos e antibióticos. Do contrário, ela pode se desenvolver para uma gastrite crônica.

Gastrite crônica

Gastrite crônica

A gastrite crônica acontece quando os sintomas da doença se manifestam durante um longo período de tempo. Por isso, a inflamação aumenta e compromete uma parte maior do estômago.

Em seu diagnóstico, ela costuma ter uma classificação de acordo com o seu nível de evolução e de comprometimento da região. Caso não seja tratada, a gastrite crônica pode evoluir para um câncer no estômago.

Gastrite enantematosa

Gastrite enantematosa

A esse ponto, você já deve ter percebido que as gastrite se assemelham em sintomas, porque atuam sempre na mucosa da parede do estômago.

A gastrite enantematosa, por sua vez, se diferencia porque atinge uma camada profunda do revestimento do estômago.

Também chamada de pangastrite enantematosa, ela costuma estar ligada à infecção pela bactéria H. pylori. No entanto, excesso de álcool e de medicamentos, como aspirinas e anti-inflamatórios, também podem provocar esse tipo de gastrite.

A gastrite enantematosa significa que a inflamação está na parte final do estômago. E, ela pode ser leve, moderada ou severa – com sintomas mais graves.

Gastrite eosinofílica

Gastrite eosinofílica

A gastrite eosinofílica é uma inflamação crônica que pode ser causada pela hipersensibilidade alérgica a certos alimentos. Além disso, a doença também tem como causa o acúmulo de um tipo específico de leucócitos – eosinófilos – no estômago.

            Entre os sintomas, os mais comuns são refluxo, vômitos e diarreia. Em condições mais sérias, pacientes apresentam dificuldade de ingerir alimentos.

            Assim, resumidamente, a gastrite eosinofílica se caracteriza pelo elevado número de eosinófilos no trato gastrointestinal. Eosinófilos são células do sistema imune, muito comuns em pessoas com histórico de alergias. O tratamento dessa doença costuma ser administrado com corticoides.

Gastrite nervosa

Gastrite nervosa

Os sintomas mais comuns da gastrite, como azia e má digestão, podem vir a partir de momentos de estresse.

Assim, esse desequilíbrio emocional acaba provocando reações físicas no organismo, podendo levar a enjoos e vômitos. A esse tipo de gastrite damos o nome de gastrite nervosa.

Logo, a gastrite nervosa é aquela vinda a partir de uma série de episódios de ansiedade, que provocam reações físicas em nosso estômago. Para o tratamento, recomenda-se antiácidos, além do acompanhamento psicoterapêutico

Como tratar a gastrite?

Como tratar a gastrite?

A gastrite se trata de um processo inflamatório na mucosa gástrica. Assim, ela pode acontecer tanto de maneira aguda quanto de forma crônica.

Entre os seus principais sintomas, estão as dores no estômago, náuseas, sensação de queimação e a falta de apetite.

Por isso, no tratamento da gastrite, costuma-se utilizar remédios que atuem em seus sintomas. Mas, caso a sua origem seja bacteriana, o uso de antibióticos se torna regra.

Então, como forma de reduzir o uso de medicamentos, muitas pessoas adotam terapias alternativas para a gastrite, considerando métodos fitoterápicos como algo menos agressivo para o paciente.

Para o tratamento da gastrite, há alternativas com plantas medicinais, reeducação alimentar, e remédios caseiros. Confira algumas opções de tratamentos abaixo:

Tratamento com remédios (medicamentoso)

Tratamento com remédios (medicamentoso)

Antes de qualquer coisa, um alerta. Não se automedique. A automedicação é perigosa e pode trazer consequências graves. Procure um médico para avaliação dos sintomas, e possíveis exames a serem solicitados.

Dito isso, o controle da gastrite costuma ser realizado com remédios que diminuem a acidez do estômago. Assim, também se reduz o desconforto estomacal e qualquer azia ou má digestão que a doença pode provocar.

Por outro lado, quando a bactéria H. Pylori está presente no organismo, usa-se antibióticos para controlar a doença. Deve-se seguir o tratamento até o fim. Do contrário, há o risco do surgimento de superbactérias e o início de uma gastrite ainda mais severa.

Remédio caseiro (tratamento natural)

Remédio caseiro (tratamento natural)

Na sabedoria popular, em anos de cultura brasileira, há uma série de receitas caseiras que podem auxiliar no controle da acidez no estômago.

Entre as opções mais procuradas, estão os chás e sucos, que têm o poder de reduzir os sintomas da gastrite.

Além disso, manter a hidratação bebendo bastante água é importante. A alimentação, no geral, é muito importante para o controle da gastrite. Por isso, evite comidas apimentadas, frituras, café e bebidas alcoólicas, preferindo sempre verduras e legumes.

Caso o tratamento caseiro não sane seus sintomas em até 3 dias, procure um médico o quanto antes. Para te auxiliar no tratamento caseiro da gastrite, fizemos uma seleção de algumas receitas que podem te ajudar nessa missão. Confira abaixo:

Suco de batata

Suco de batata

Uma das opções mais utilizadas no tratamento caseiro da gastrite é o suco de batata. Com ele, é possível diminuir a acidez do estômago. Logo, também se reduz a sensação de queimação e azia.

Recomenda-se ingerir um copo assim que acordar, ainda em jejum.

Para fazer, basta descascar a batata e bater no liquidificador. Adicione água aos poucos, para obter uma mistura mais líquida.

Chá de espinheira-santa

Chá de espinheira-santa

Há anos, recomenda-se o chá de espinheira-santa para gastrite, recomendado como um dos tratamentos naturais mais eficazes para a azia e má digestão.

A planta possui taninos, substâncias que ajudam a diminuir a acidez estomacal. Além disso, as propriedades da espinheira-santa auxiliam na proteção do estômago do próprio ácido que produz.

Chá de aroeira

Chá de aroeira

A aroeira possui propriedade analgésica e anti-inflamatória. Por isso, é altamente procurada para o tratamento da gastrite.

Além de auxiliar contra a doença, o chá também serve como bomba de nutrientes. A aroeira é rica em vitaminas A, C e K, bem como em magnésio, potássio e ferro.

Assim, o chá pode diminuir os sintomas da gastrite, e também eliminar toxinas do sangue.

Tratamento para gastrite nervosa

Tratamento para gastrite nervosa

Como a gastrite nervosa surge a partir de reações emocionais, para o seu controle é importante evitar situações estressantes.

Então, além dos outros tratamentos, para redução dos sintomas da doença, também é recomendado acompanhamento psicoterapêutico, para controle emocional.

Tratamento com reeducação alimentar

Tratamento com reeducação alimentar

A gastrite afeta mais de 2 milhões de brasileiros todos os anos. Uma das maiores reclamações em consultórios de gastroenterologistas, a gastrite muitas vezes pode ser controlada a partir da reeducação alimentar.

Assim, todos os sintomas da gastrite podem ser contornados com a alimentação. Com a mudança de hábitos, a azia e a dor de estômago desaparecem, aumentando a proteção das paredes do estômago.

A ideia é que a alimentação seja a mais natural possível, a fim de evitar alimentos que possam irritar o estômago.

O que comer?

Abandone os temperos apimentados e adote os naturais. Prefira utilizar cúrcuma e alecrim para cozinhar, porque eles podem auxiliar na redução dos sintomas da gastrite.

Para evitar úlceras, prefira vegetais, como couve e repolho, que podem ser facilmente adicionados ao prato brasileiro. Alimentos cozidos são os mais recomendados, porque facilitam a mastigação.

Além disso, uma boa aliada na luta contra a gastrite é a maçã, por seu efeito antiácido. Por fim, os peixes de água fria possuem ômega-3, que tem o poder de reduzir a inflamação no estômago. Então, opte por peixes como sardinha e salmão.

O que não comer?

Há uma série de alimentos que podem aumentar a secreção ácida do estômago, tendo efeito negativo no tratamento da gastrite.

Para cozinhar, evite temperos apimentados, como pimenta-do-reino, e também o uso de caldos prontos, de sachês e tabletes, porque em excesso são bem prejudiciais.

Por fim, confira uma lista do que evitar caso esteja na luta contra a gastrite:

  • Café
  • Chocolate
  • Refrigerante
  • Bebidas alcoólicas
  • Frituras
  • Gorduras em excesso
  • Enlatados
  • Embutidos

Mas, afinal, gastrite tem cura?

Mas, afinal, gastrite tem cura?

Sim, a gastrite tem cura. Se você identificar rapidamente a doença, procure um médico porque ela tem cura. Com o tratamento adequado e a mudança de hábitos, é possível criar uma maior proteção do estômago, livrando-se dos sintomas da doença.

No entanto, caso ela seja crônica, o tratamento da doença se torna muito mais difícil, e ela ainda pode evoluir para um câncer na região. Por isso, busque orientação médica nos primeiros sintomas, e trate a inflamação o quanto antes.

Gostou do artigo de hoje 5 passos para melhorar a qualidade dos seus cabelos? Deixe seu comentário, compartilhe com o máximo de pessoas que conseguir e siga nosso instagram > DETOX HOJE

Leia também esse outro artigo, prometo que vai amar as dicas 👉 15 Passos para melhorar a qualidade das suas unhas

Sobre o Autor

Fabricio
Fabricio

Fabrício Policarpo é apaixonado por vida saudável e adora pedalar, praticar atividades físicas e se alimentar bem. É o fundador do Blog Detox Hoje, que nasceu devido a necessidade por informações de qualidade sobre saúde, bem estar e emagrecimento saudável que as pessoas estão precisando nos tempos modernos onde cada vez mais o número de pessoas acima do peso está aumentando. Nos tempos atuais até crianças estão tendo problemas com a obesidade e também com doenças mais graves como o câncer devido ao estilo de vida moderno e também problemas respiratórios devido a poluição. O Detox Hoje foi criado para ajudar o maior número de pessoas possível a obterem uma saúde e estética melhores. E seguindo as dicas e recomendações aqui passadas com certeza você vai conseguir obter excelentes resultados. Não esqueça de ativar as notificações para que você não perca novos artigos no blog.

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *